sábado, 6 de julho de 2019

Bolsonaro defendeu a legalização do trabalho infantil no País, mas recuou


Bolsonaro, Disse que não seria bem assim, diante da repercussão explosiva que a pisada de bola causou nas redes sociais. Com ele no poder, a cantiga da perua tem sido uma só: tropeços e trapalhadas. O presidente não tem sensibilidade para compreender que a escravidão infantil é um massacre humano, um genocídio.

No Brasil, segundo o IBGE, mais de 2,5 milhões de crianças e adolescentes, entre 5 e 17 anos, trabalham na agricultura, pecuária, no comércio, nas ruas, em construção civil, dentre outras atividades. Em Placas (PA), uma criança ficou cega numa fazenda de cacau após acidente de trabalho.
No Rio Grande do Norte, 25 crianças foram encontradas trabalhando em matadouros públicos. Casos mais alarmantes se repetem em todo o País, mas Bolsonaro, ao invés de prevenir e eliminar o trabalho infantil escravo, mente. Disse que trabalhou na infância, mas a própria família negou. Que papelada!

Casos em Ipubi – Em maio passado, 13 crianças e adolescentes, na faixa etária de três a 17 anos, foram encontradas trabalhando em três casas de produção de farinha de mandioca em Ipubi, no Sertão. Alguns operavam máquinas, muitas delas conhecidas por causar ferimentos graves. A lei proíbe quem tem menos de 18 anos de atuar em atividades na lista das piores formas de trabalho infantil.

Irmão nega – Depois de Bolsonaro fazer apologia ao trabalho infantil, internautas recuperaram uma entrevista da família dele, em 2015, na qual um dos irmãos do presidente nega que qualquer um deles tenha trabalhado na infância. A revista Crescer ouviu Renato Bolsonaro, que afirmou: “Meu pai era boêmio, mas nunca deixou um filho trabalhar, mas sim estudar”.

Inf. Magno Martins

Nenhum comentário:

ebs serviços

ebs serviços
aluguel de maquinas

MAX FERRO

MAX FERRO
SANTA CRUZ E SANTA FILOMENA

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLINICAS LABCENTER

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLINICAS LABCENTER
.

.

.
,