quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Fraude nos contratos do Governo chega até 30%, diz PF



Os contratos vão desde a aquisição de filtros, alimentos, colchões e a locação de banheiro químico e de veículos durante as enchentes de 2010 e 2017. “Com os elementos levantados pela Polícia Federal e pelas mostras levantadas pela Controladoria, identificamos que houve desvio de recursos públicos”, apontou o coordenador geral de operações da Controladoria Geral da União, Israel Reis de Carvalho.

A suspeita é que funcionários da Secretaria da Casa Militar direcionavam os contratos a diversos grupos empresariais em troca de contrapartidas financeiras. Para a polícia, há, ainda, indícios de não execução de contratos.

“Houve conluio de empresas com servidores públicos para que esses recursos federais fossem desviados. A investigação continua. As oitivas e as prisões estão corroborando com o que já foi constatado durante a parte sigilosa da operação”, afirmou o chefe da delegacia de Combate ao Crime Organizado da PF, Renato Madson.

Ao todo, são 12 contratos investigados em relação às chuvas de 2010 e outros três deste ano. Somados, eles chegam a R$ 450 milhões. O valor desviado ainda está sendo apurado.

“Foi constatado que há sempre uma ligação entre as empresas e supostos laranjas como proprietários dessas empresas. Nesse ano, teve uma nova enchente em maio. Verificamos que os termos celebrados envolviam os mesmos grupos empresariais que os de 2010. Os fatos estavam sendo continuados”, pontuou o coordenador geral de operações da Controladoria Geral da União.

O Governo de Pernambuco afirmou, por meio de nota, que está "a disposição de prestar todos os esclarecimentos necessários, como sempre tem feito quando solicitado por órgãos de controle e fiscalização". O executivo estadual apontou ainda que "o acesso a todos os documentos e equipamentos ali localizados, assim como a qualquer outro documento público, poderia ter sido solicitado sem a necessidade de qualquer ordem judicial".

Operação nas ruas do Recife
A Casa Militar de Pernambuco, localizada na sede do governo estadual, e a Vice-governadoria, ambas na região central do Recife, foram alvos da ação. Ao todo, a PF cumpriu 14 dos 15 mandados de prisão temporária, 19 de condução coercitiva e 36 de busca e apreensão.

O ex-comandante da Polícia Militar de Pernambuco coronel Carlos D'Albuquerque e o ex-chefe da Casa Militar de Pernambuco coronel Mário Cavalcanti estão entre as pessoas que tiveram mandados de condução coercitiva, quando a pessoa é levada pela polícia para depor, emitidos pela Justiça.

Segundo a PF em Pernambuco, a investigação teve início em 2016, a partir de um relatório elaborado pela CGU. O dinheiro usado no processo de reconstrução das cidades castigadas pelos temporais, em 2010, foi repassado pelo governo federal.

Do G1/PE

Nenhum comentário:

max ferro

max ferro
,

ebs serviços

ebs serviços
aluguel de maquinas

MEU OLHAR VALE MAIS DO QUE MIL PALAVRAS

MEU OLHAR VALE MAIS DO QUE MIL PALAVRAS
87 9965 4353