Após nova assembleia do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telégrafos de Pernambuco (Sintect-PE), realizada nesta segunda-feira (2), os funcionários dos Correios em Pernambuco decidiram continuar em greve. Os sindicalistas criticaram a liminar do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que considerou abusiva a paralisação.
 
De acordo com Eliomar Macaxeira, diretor de imprensa do Sintect-PE, os trabalhadores seguiram todos os trâmites legais necessários à deflagração da greve. Em julho, a federação nacional dos funcionários do setor entregou um calendário à empresa, em que já constava previsão de greve para o dia 18 de setembro, caso as negociações não fossem concluídas.

“O Sintect-PE entende que a população fica prejudicada no processo, mas queremos trazer as pessoas para o nosso lado”, disse Macaxeira. Segundo ele, há a sobrecarga dos trabalhadores depois dos Planos de Demissão Voluntária da empresa. Em Pernambuco, seriam necessárias pelo menos 750 novas contratações para suprir o desfalque.

Outra reivindicação é o aumento de 8% dos salários dos funcionários. A respeito da privatização do setor, planejada pelo Governo Federal, o Sintect afirma que o papel dos Correios é social, em lugares que a iniciativa privada não tem interesse de chegar.