(Foto: Ilustração)

Nesta terça-feira (6) o Brasil celebra o dia Nacional do teste do pezinho, entretanto a Secretaria de Saúde de Pernambuco não tem muito o que comemorar. Com um ideal de cobertura de 90%, Pernambuco ainda não registrou 28% dos recém-nascidos.

O teste do pezinho deve ser feito nos primeiros dias de vida. O ideal é levar o bebê entre o 3º (72 horas completas) e o 5º dia após o nascimento. O procedimento é simples: por meio de uma punção no calcanhar, são retiradas algumas gotas de sangue, que são aplicadas em um papel-filtro, encaminhado, em seguida, para análise no Laboratório Central de Pernambuco (Lacen).

De acordo com o governo de Pernambuco, uma média de 72% dos recém-nascidos passa por esse tipo de procedimento. O percentual que aumentou em relação a 2007, que tinha uma cobertura de 55%. A administração estadual informa, ainda, que 20% das crianças chegam aos serviços no período ideal, entre o 3º e o 5º dia de vida.

A partir do exame, é possível diagnosticar, precocemente, quatro doenças que, se não tratadas, podem deixar sérias sequelas nos meninos e meninas. São elas: fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, fibrose cística e doença falciforme e outras hemoglobinopatias.
Com informações do G1
(Waldiney Passos)