Enquanto Temer resiste, tucanos procuram substituto e saída política
Cresce no PSDB a tese de que não dá para pressionar o presidente Michel Temer a deixar o cargo sem que esteja claro quem será o substituto e como isso será feito.

Nas conversas reservadas, caciques do partido continuam a dizer que será muito difícil a sobrevivência política do presidente, mas afirmam que não podem abandoná-lo agora sob pena de aumentar a crise, transformando um grande problema político num desastre econômico na hora em que havia sinais de recuperação nesse segundo campo.

Nesse contexto, o nome preferido no PSDB é o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que seria apresentado para uma eleição indireta no Congresso. FHC tem dito publicamente que não deseja voltar à Presidência, mas há tucanos que afirmam ter esperança de convencê-lo.

Se o plano falhar, há outros dois nomes aventados por caciques tucanos: o do atual presidente da sigla, o senador Tasso Jereissati, e o do ex-ministro do STF Nelson Jobim, que também foi ministro nos governos FHC e Lula. Os tucanos querem evitar eleição direta agora porque, se for aplicado o entendimento com regras mais rígidas, o governador Geraldo Alckmin e o prefeito João Doria não poderiam ser candidatos.

Alckmin e Doria só poderiam concorrer num cenário em que fosse flexibilizado o prazo de seis meses para deixar o cargo a fim de disputar outro.