Todos os campi da UPE aderiram a greve./ Foto: internet
Todos os campi da UPE aderiram a greve./ Foto: internet
Os professores da Universidade de Pernambuco (UPE) entraram em greve geral nesta sexta-feira. A decisão foi discutida e aprovada por unanimidade em assembleia ocorrida esta manhã no campus Santo Amaro, onde estiveram presentes mais de 60 docentes. Estão paralisados todos os campi da Universidade: Recife, Arcoverde, Caruaru, Garanhuns, Mata Norte, Mata Sul, Petrolina, Salgueiro e Serra Talhada.
 
Os profissionais se posicionam, como pauta geral, contra a PEC 55, antiga PEC 241, que atualmente tramita no Senado e propõe o congelamento dos gastos do Governo Federal pelos próximos 20 anos. De acordo com a União Brasileira dos estudantes Secundaristas (UBES), em todo o país, as ocupações estudantis contra o projeto, entre secundaristas e universitários, já somam 1.177.
 

Além disso, os professores também reinvidicam pautas específicas da categoria, que exigem o reajuste salarial e reposição salarial das perdas acumuladas de 20,18%, além de solicitar ao governo a transformação da gratificação de dedicação exclusiva. “queremos que ela faça parte do nosso salário e não mais seja uma gratificação. É algo que, em março, o governo do estado já se compreteu a solucionar, mas até agora nada, e queremos o cumprimento do acordo”, explicou o vice-presidente da Seção Sindical dos Docentes da Universidade de Pernambuco (Adupe), Luiz Oscar Ferreira.
 
Os professores apoiaram ainda o movimento nacional de paralisação, no dia 11 de novembro, convocado pelos movimentos sociais em todo o país. Nos próximos dias, a diretoria da Adupe vai realizar uma reunião em Petrolina, no Sertão do estado, para discutir os próximos passos do movimento.
 
Com informações de Diário de Pernambuco
(Waldiney Passos)