Para evitar que ocorram trapaças, todo candidato vai ter que fazer um registro da digital. O processo é rápido e serve como complemento de identificação. Aqueles que se recusarem a realizar o procedimento serão eliminados. As  digitais vão para um banco de dados e serão conferidas pela Polícia Federal. E nessa estreia do sistema, os alvos já estão definidos.

“Aqueles cursos mais concorridos. Nós vamos começar essa análise por esses cursos. Medicina, engenharia civil, direito e outras áreas”, disse Eunice Santos, diretora de Gestão e Planejamento do Inep.
O documento de identidade com foto e a assinatura continuam sendo obrigatórios. E quem quiser ir ao banheiro terá revista eletrônica na entrada e na saída. Um fiscal com detector de metal na porta de cada banheiro. Nos últimos cinco anos foram vários registros de celular e ponto eletrônicos escondidos.

Nesse Enem são 8,6 milhões de alunos inscritos. A nota é usada como critério de seleção para entrar na universidade e para programas de financiamento como o Fies e o Prouni. “Uma pessoa que não fez assim, burlar, passar na sua frente, acabar roubando sua vaga, por um meio ilícito é complicado. Acho que vai ser positivo para todo mundo”, afirma o estudante Lucas Reis.
Com informações do G1